Sim, tu és missionário(a)

Outubro 2015 / Invencíveis

O Dia Mundial das Missões deste ano tem como contexto o Ano da Vida Consagrada e a sua mensagem é um apelo ao seguimento radical de Jesus Cristo.

Escreve o Papa Francisco na mensagem para o Dia das Missões, que se celebra no penúltimo domingo deste mês, dia 18: «Se todo o batizado é chamado a dar testemunho do Senhor Jesus, anunciando a fé que recebeu em dom, isto vale de modo particular para a pessoa consagrada», que O segue de modo radical. Todavia, sublinha Francisco: «Quem segue Cristo não pode deixar de tornar-se missionário, e sabe que Jesus caminha com ele, fala com ele, respira com ele, trabalha com ele. Sente Jesus vivo com ele, no meio da tarefa missionária.»

Há razões para se deixar seduzir?

É bela a definição que o Papa Francisco dá da vida e da atividade dos missionários: «A missão é uma paixão por Jesus Cristo e, ao mesmo tempo, uma paixão pelas pessoas.» E explica: «A paixão do missionário é o Evangelho», que é «fonte de alegria, liberdade e salvação para cada pessoa. Ciente deste dom, a Igreja não se cansa de o anunciar, incessantemente, a todos. […] A missão dos servidores da Palavra – bispos, sacerdotes, religiosos e leigos – é colocar a todos em relação pessoal com Cristo.»

«Ai de mim se eu não evangelizar»

A vocação missionária – como o próprio nome indica – é um chamamento, é como uma voz interior, vinda de Deus, que pede para ir onde Ela envia. Escreve o Papa Francisco na sua mensagem missionária que «sentimos que Ele quer servir-Se de nós para chegar cada vez mais perto do seu povo amado (os cristãos) e de todos aqueles que O procuram de coração sincero».

E porque temos de ir pessoalmente? Porque «todos são chamados a anunciar o Evangelho pelo testemunho da vida, a ouvir a voz do Espírito que os chama a partir para as grandes periferias da missão, entre os povos onde ainda não chegou o Evangelho», lembra o papa. A missão concretiza-se em encontros: uns partem e vão anunciar o Evangelho a povos longínquos. Outros, ficando na sua terra, têm como missão acolher e acompanhar os irmãos e irmãs provenientes de outras as terras e culturas: os migrantes e os refugiados. O essencial da missão será sempre Jesus Cristo, como escreveu o apóstolo S. João e o Papa Francisco cita: «A nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo» (1 Jo 1, 3).

Por: Fernando Félix

Deixe uma resposta