Pag29

O centro histórico do Porto foi classificado como Património Cultural da Humanidade, pela UNESCO, em 1996. Nesta área mais antiga da cidade, encontra-se o testemunho das origens medievais da urbe. Percorrer a pé as típicas ruelas nas freguesias da Sé, de São Nicolau, da Vitória e de Miragaia é deparar em cada passo com um monumento, é sentir a hospitalidade das gentes e é desfrutar uma panorâmica deslumbrante sobre o casario e sobre o rio Douro. A gastronomia, o artesanato e o comércio desta área dão ao visitante uma experiência de viagem ao passado.

Associada ao Porto está a Região Vinhateira do Alto Douro, no Nordeste do País, classificada, em 2001, como Património da Humanidade, na categoria de paisagem cultural. Banhada pelo rio Douro, produz vinhos há mais de 2000 anos, entre os quais o vinho do Porto.

 

O Fado

O fado é um estilo musical português. Caracteriza-se por ser cantado por uma só pessoa – o ou a fadista –, acompanhada por guitarra clássica (chamada viola) e guitarra portuguesa.

A melodia e a letra são nostálgicas. O ritmo é lento e triste, quando fala de amor e de saudade; é animado e jovial, quando aborda temas sociais ou festivos.

Há várias teorias acerca da sua procedência. Uma encontra as suas origens nos cantos tristes e sofridos dos mouros – os árabes oriundos do norte de África que habitavam a Península Ibérica –, que permaneceram no bairro da Mouraria, em Lisboa, capital de Portugal. Outras afirmam que ele pode ter derivado das cantigas dos trovadores, ou da saudade dos marinheiros da epopeia dos Descobrimentos ou do cântico lundu dos escravos levados de África para o Brasil, ou, ainda, da famosa modinha, um estilo de música popular.

 

Breves

  • A palavra «fado» tem a sua raiz no latim fatum, e pode ser traduzido como «destino».
  • Tornou-se popular a partir de 1840, concentrando-se em tabernas ou casas de fado, em Lisboa.
  • Na segunda metade do século XIX, foi levado para Coimbra por estudantes de Lisboa. Nesta cidade do centro de Portugal, o fado tem um estilo mais romântico. Para isso contribui o uso de uma guitarra própria, a guitarra de Coimbra.
  • Os fadistas cantam de pé e os guitarristas estão sentados.
  • Em Coimbra, não se aplaude no final do fado, mas faz-se um som gutural.
  • Em Portugal, há, atualmente, 123 intérpretes deste estilo musical.
  • Os fadistas vestem-se de negro. As mulheres usam um xaile sobre os ombros.
  • As melhores casas de fado encontram-se nos bairros típicos de Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa, na capital.

 

Curiosidades

  • É Património Cultural Imaterial da Humanidade desde 2011.
  • Amália Rodrigues é a fadista mais célebre. Ela contribuiu para a divulgação internacional do fado.
  • O fadista Carlos do Carmo foi galardoado com um Grammy pela sua carreira notável.
  • Mariza, Ana Moura, Carminho, António Zambujo… são alguns nomes de fadistas que dão novos ritmos ao fado, sem desvirtuar a sua essência.
  • No Bairro de Alfama, em Lisboa, está instalado o Museu do Fado. Tem exposições e organiza cursos de guitarra portuguesa e de viola.
  • Ruben Alves, cineasta luso-francês, criou um disco-tributo a Amália Rodrigues, juntando vários fadistas neste As Vozes do Fado.
  • Os tipos originais de fado são três: o fado menor, que usa dois acordes; o fado corrido, que exige agilidade na mão das cordas, e o fado Mouraria ou tradicional.

 

As guitarras

A guitarra portuguesa tem forma de pera. Constituído por seis pares de cordas, o seu timbre agudo é o melhor para interpretar os sentimentos de saudade ou lamento, uma confissão de tristeza, de dor ou de angústia. Mas também os sentimentos de felicidade e de alegria.

A guitarra portuguesa de Coimbra é maior do que a de Lisboa. A escala mais comprida ajusta-a para o seu fado ao estilo de balada. A estas guitarras típicas associa-se a guitarra clássica, chamada viola.

Por: Fernando Félix

Deixe uma resposta