Os quatro tipos de fome

Junho 2017 / Sabes

AU_Junho2017_Pag57

 

Ter vontade de comer nem sempre significa que há apetite ou necessidade de alimentar-se. Esta é a fome chamada orgânica. Mas há também as fomes emocional, mental e de hábito.

 

Fome orgânica

É aquela que sentimos quando precisamos realmente de comer e de beber e está ligada à sobrevivência do organismo. O corpo vai dando sinais, a que chamamos ter apetite, e, se o organismo sente que tardamos em responder, produz outros sinais físicos, como a fraqueza, a dor de estômago e, até, dor de cabeça.

 

Fome emocional

É aquela que sentimos quando as nossas emoções são sujeitas a algum tipo de stress. Surge quando estamos tristes, deprimidos, entediados, nervosos ou ansiosos. Comemos para nos confortarmos, acalmando as emoções, e recorremos a alimentos ricos em açúcar ou sal. Esta fome está associada a alguns vícios, como fumar, alcoolismo, drogas ou dependência das tecnologias.

 

Fome mental

É aquela que sentimos por rotina, porque as refeições são sempre à mesma hora, e o corpo avisa uns momentos antes. Mas também pode ser o costume de beber leite antes de deitar, e não conseguiremos dormir sem o tomar. O hábito quotidiano do cafezinho pode estar relacionado com esta fome.

 

Fome de hábito

É aquela a que chamamos petiscar: comemos pipocas a ver televisão, bolachas, quando lemos, bebemos refresco, chocolate ou café ao computador… É uma espécie de gula, que nos impede de resistir quando vemos alimentos apetitosos.

Por: Redação

Deixar uma resposta