Mundial de futebol: Juntos num só ritmo

Junho 2014 / Destaque

Aud_Junho2014_Pag27

O Brasil foi o escolhido para acolher pela segunda vez um campeonato do mundo de futebol. A primeira foi em 1950. Trinta e duas seleções dos cinco continentes competirão para erguer o troféu no Maracanã, a 13 de julho.

Em outubro de 2007, o Brasil apresentou à Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA) a candidatura para acolher o Mundial 2014. A sua eleição foi dada a conhecer em maio de 2009. Seguiram-se cinco anos de muitos planos: foi preciso desenhar, projetar, erguer e equipar os 12 estádios onde decorrem os 64 jogos. Entre 2011 e 2013, seleções de todo o mundo competiram pelo apuramento e 32 conquistaram um lugar na fase final. Houve empenho do Governo na transformação e modernização das cidades onde estão os estádios – Belo Horizonte, Brasília, Cuiaba, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro –, com novas infraestruturas rodoviárias, escolares e de saúde, na segurança e nos transportes.

Todavia, os nove mil milhões de euros que o Governo brasileiro gastou com o Mundial chocaram a população brasileira que vive na pobreza em todo o país: cerca de 48 milhões de pessoas (um em cada quatro brasileiros). E fizeram-se manifestações nas ruas, exigindo que sejam aplicados os mesmos milhões na melhoria de todo o Brasil.

Apenas com a construção ou remodelação dos 12 estádios, o Brasil gastou mais de dois mil milhões de euros. E, segundo denuncia a organização Contas Abertas, organização civil brasileira para a transparência pública, «pelo menos quatro estádios vão transformar-se em “elefantes brancos”».

Além disso, as Nações Unidas já em 2012 se manifestaram chocadas por mais de 250 mil brasileiros serem despejados das suas casas por causa das obras de realização do Mundial.

Por outro lado, um evento como este atrai centenas de milhares de turistas. Estima-se que acorram perto de seiscentos mil ao Brasil e que cerca de quatro mil milhões, em todo o mundo, acompanhem pelos meios de comunicação social. Se a presença de turistas é certeza de entrada de divisas, que compensam os gastos, também é verdade que as redes criminosas se aproveitam das grandes competições internacionais para aumentar a oferta de pessoas que são prostituídas. A FNPETI – Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, com sede em Brasília, estima que existam quinhentas mil crianças e adolescentes na indústria do sexo no Brasil e chegam-lhe denúncias de exploração sexual nos arredores dos estádios.

 

Algumas curiosidades

O Campeonato do Mundo de Futebol Brasil 2014 tem como lema «Juntos num só ritmo». A frase traduz a ideia de união de todos em torno da felicidade.

O pontapé de saída é no dia 13 de junho. As 32 equipas, compostas por 23 jogadores cada, começarão por jogar em grupos – são oito, cada um com seis seleções. Há representantes de todos os continentes: uma da Oceânia, a Austrália; três da Ásia: Japão, Coreia do Sul e Irão; cinco de África: Nigéria, Camarões, Costa do Marfim, Argélia e Gana; dez da América: Estados Unidos, Argentina, Costa Rica, Colômbia, Chile, Equador, Honduras, México, Uruguai e Brasil; e treze da Europa: Holanda, Itália, Alemanha, Bélgica, Suíça, Espanha, Bósnia-Herzegovina, Rússia, Inglaterra, Portugal, França, Grécia e Croácia.

Os dois primeiros de cada grupo avançam para as fases em que o que perde é eliminado e o vencedor avança para a fase seguinte: oitavos de final; quartos de final e meias-finais. Como curiosidade, o Brasil só jogará no Maracanã se chegar à final, a 13 de julho.

A mascote da copa é um tatu-bola, animal típico da caatinga – bioma exclusivamente brasileiro, caracterizado por savana de cor esbranquiçada, que cobre dez por cento do território do Brasil. O seu nome é Fuleco – que é uma combinação de Futebol e Ecologia. É amarelo e a sua carapaça é azul.

A bola do Mundial chama-se brazuca.

O hino oficial «We Are One (Ole Ola)» é interpretado pelo cantor norte-americano Pitbull.

O logótipo, chamado «Inspiração», apresenta três mãos vitoriosas a levantar juntas o troféu. Foi criado pela agência brasileira África.

 

Será a vez de África?

O Mundial 2014 é o vigésimo da História. Os 19 torneios já disputados foram vencidos por oito países, três da América do Sul e cinco da Europa. Nas nove vezes que o campeonato se disputou na América, venceu um sul-americano; e nas também nove vezes que a sede foi na Europa, o campeão foi europeu. Espanha, campeã em título, teve a proeza de inovar: em 2010, o Mundial foi em África, na África do Sul, e a tradição não se cumpriu: não foi uma seleção africana a vencer e a Europa passou a contar com dez títulos.

O Brasil, com cinco títulos, é o país com mais troféus. Argentina, Alemanha e Espanha também são favoritos. Das seleções africanas presentes, Costa do Marfim é a mais bem cotada: está no 21.o lugar do ranking da FIFA.

Por: Tiago Ferreira

Deixe uma resposta