Escolas missionárias

Junho 2016 / Pátio da Escola

 

Um agrupamento de escolas de Leiria recebeu dois missionários e os alunos vão ajudar uma missão na Zâmbia.

 

E é assim o mês de junho: abre-se a janela bem cedinho e deixa-se entrar os tímidos raios de Sol, anunciadores de um dia cheio de horas para aproveitar, com a promessa de podermos fazer muitas coisas até que a luz do Sol se renda ao brilho da irmã Lua.

Entramos em junho com a comemoração do Dia da Criança e, este ano, comemorado de um modo muito especial pelos alunos de um agrupamento de escolas de Leiria. No âmbito da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, os alunos do Agrupamento de Escolas de Caranguejeira e Santa Catarina da Serra irão concluir este mês um projeto iniciado em abril, que culminará com o envio de um donativo para ajudar e apoiar uma missão dos Missionários Combonianos em Chama, na Zâmbia.

 

Semana missionária na escola

Tudo começou com a Semana Missionária promovida pela disciplina de EMRC. Todos os anos letivos, e durante uma semana, os alunos refletem sobre o mundo que os rodeia, identificando desigualdades que impossibilitam que todas as pessoas tenham as mesmas oportunidades e procuram formas concretas de contribuir ativamente para minimizarem essas desigualdades.

Para ajudar nesta reflexão, foi convidado o P.e Carlos Nunes (na foto), missionário comboniano, que dedicou a sua vida ao serviço dos outros. Com ele esteve o também seguidor de S. Daniel Comboni – de onde vem o nome combonianos – P.e Claudino Gomes, com experiência missionária na República Democrática do Congo. Partilharam o seu percurso de vida até decidirem dedicar-se à missão de provocadores e construtores ativos de iguais oportunidades para todas as pessoas e, com o seu exemplo, ensinaram o que é isto de ser missionário.

 

Alunos são missionários

O P.e Carlos Nunes e o P.e Claudino Gomes, missionários combonianos, sensibilizaram os alunos para um projeto solidário a crescer na Zâmbia, que consiste na ampliação de um jardim infantil numa aldeia chamada Chama.

Na Zâmbia nem todas as crianças têm a possibilidade de ir à escola, pois as poucas existentes ficam longe das suas casas e nem sempre com boas condições. Ao mesmo tempo que explicaram o porquê deste projeto, deram também a conhecer um pouco da Zâmbia e da sua cultura. Todas estas informações foram exploradas nas aulas de EMRC, nascendo o desejo de participar ativamente neste projeto em Chama. Os alunos venderam canetas e toda a comunidade escolar foi convidada a oferecer o valor de um caderno e uma caneta para esta missão. Muitas coisas aprenderam estes alunos!

Todos somos missionários quando ajudamos o próximo sem esperar nada em troca, quando o ajudamos a levantar e enxugamos as suas lágrimas. Somos missionários quando percebermos o valor das pequenas coisas que temos e lutamos para que o outro também as tenha, e não importa se o outro mora no outro lado da rua ou noutro país. O olhar destes alunos sobre as coisas que possuem é agora diferente. Um simples caderno já não é um simples caderno. É, injustamente, um privilégio apenas para alguns. A noção de ter poucas coisas também se alterou. Afinal, o pouco que achavam que tinham é agora considerado muito, e exemplo desse muito é terem uma escola que podem frequentar.

Por: Isabel Mesquita

Deixe uma resposta