Ecumenismo? Que tens que ver com isso?

Janeiro 2018 / Invencíveis

Pag10

 

O início de um novo ano é sempre um tempo de esperança. É uma nova página que se abre, ainda em branco, como se a cada um fosse dada, sempre de novo, a oportunidade de recomeçar, de renascer. É o tempo dos projetos, dos propósitos mais ou menos voluntariosos, das decisões que queremos honrar.

É neste início de ano que, há mais de um século, os cristãos das diversas tradições eclesiais – católicos, protestantes, ortodoxos, anglicanos… – vivem uma semana mais intensa de oração pela unidade. Também neste âmbito somos convidados a reacender a esperança, a procurar na oração comum, na escuta e partilha da Palavra, nos gestos fraternos, a força para prosseguir a nossa missão comum de testemunharmos a novidade de Jesus, vivo e ressuscitado, como irmãos e irmãs, e de semearmos no nosso

dia a dia a reconciliação e a confiança.

 

Vinte anos de ecumenismo jovem

Em 2018, comemoraremos vinte anos sobre o início do trabalho ecuménico com os jovens em Portugal e a celebração do primeiro Fórum Ecuménico Jovem. Desde Leiria, em 1999, até hoje, os Fóruns Ecuménicos são encontros nacionais de jovens membros de diferentes Igrejas; são um desafio a descobrir a beleza e a urgência do caminho ecuménico.

Nestes vinte anos, os Fóruns Ecuménicos percorreram a grande maioria das dioceses portuguesas. E prolongaram-se em iniciativas mais locais de oração, de reflexão, de compromisso social, de encontro.

Se este é um tempo de dar graças a Deus pelo caminho percorrido, é também um tempo para recomeçar sempre de novo. Jesus Cristo já nos reconciliou e chama-nos a ser instrumentos da sua reconciliação. É Ele quem quer que os seus discípulos sejamos unidos, para que o mundo creia no seu Evangelho.

 

Ecumenismo entre crianças

Os textos e dinâmicas da Semana de oração pela Unidade dos Cristãos chegam-nos dos cristãos das Caraíbas (América Central). Encontra-os em https://goo.gl/PWUFXF.

Sugere na tua paróquia ou escola que a catequese ou as turmas se juntem para um encontro ecuménico.

Por: João Luís Fontes

Deixe uma resposta