Dos animais, com amor

Fevereiro 2014 / Belezas do Mundo

Vou contar-te a linda história de amizade entre a senhora Ihara Misao, de 88 anos, e o seu gato Fukumaru.

 No dia 14 de fevereiro, celebra-se o Dia de São Valentim, conhecido como Dia dos Namorados. Quando pensamos nesta comemoração, vêm-nos à cabeça imagens de casais de mão dada, a partilharem caixas de bombons. No entanto, o amor não se deveria cingir apenas a este gesto nem somente a este dia. Nem unicamente a namorados. O amor é também algo que nos une à nossa família, amigos, heróis e até mesmo aos nossos animais. Decerto que aquilo que nos distingue imediatamente deles é o facto de sermos considerados racionais e eles não, mas se analisarmos com atenção algumas histórias, ficaremos impressionados com o carinho e fidelidade que nos podem dedicar e, pasme-se, até mesmo a animais de espécies diferentes!

Isto a propósito da bonita amizade entre a senhora Ihara Misao, com 88 anos, e o seu gato Fukumaru. Tudo terá começado em 2003, quando uma gata de rua deu à luz um gatinho branco, de olhos de cores díspares (um amarelo e outro azul) num celeiro pertencente à propriedade dos Iharas. Rapidamente adotado pela família, tornou-se o melhor amigo da senhora Misao. Ihara Miyoko, a sua neta, fotografou a avó, testemunhando o companheirismo vivenciado pela senhora e pelo gato. O resultado é fantástico e a jovem fotógrafa brinca, afirmando que esta cumplicidade se deve a ambos serem quase surdos e, por isso, terem a necessidade de se olharem mutuamente nos olhos!

Aprecia as fotografias desta página: podes ver a avó Misao acompanhada por Fukumaru a desfrutar os pequenos segredos da Natureza. Apelam à tranquilidade e à valorização dos momentos simples da vida, tantas vezes abafados por cansaço e angústias.

 Um livro de amores encantados

Agora vou falar-te de um livro chamado One Big Happy Family, da escritora e jornalista norte-americana Lisa Rogak. Documenta histórias de animais de espécies diferentes que, contrariando os instintos naturais de predação e rivalidade, criaram laços de afeto entre si. De entre os variados casos relatados na obra, sobressai a rejeição de um pequeno cordeiro malhado pela mãe que, depois, foi adotado por uma dálmata chamada Zoe; o cuidado que a pavoa Valentine dedicou a um ganso recém-nascido depois de se ter sentado, acidentalmente, em ovos de ganso por eclodir e um gatinho que foi amamentado e criado com uma ninhada de porcos. Incrível, não é verdade? Mas existem muitos outros relatos, bem acompanhados por fotografias fantásticas, que vale a pena serem lidos!

 Que dirias: os animais amam ou não?

É uma incógnita se os animais possuem sentimentos como nós. No entanto, estas evidências levam-nos a crer que talvez os tenham. É impossível ignorar a ternura e amizade que o teu animal de estimação manifesta por ti, tão visível na alegria com que te recebe e quando te procura animar sempre que estás triste. São, sem dúvida, leais companheiros que merecem o nosso amor e respeito. Manda-me a tua opinião para revistaudacia@gmail.com.

Por: Margarida Brotas

Deixe uma resposta