AU_Julho2017_Pag35

 

O seu nome significa «terra dos tsuanas», povo que representa 70 por cento da população. Por sua vez, os bosquímanos são uma minoria e foram muitas vezes discriminados pelos grupos étnicos dominantes, inclusive quando o país foi colónia britânica. Entre 1997 e 2002, estes foram expulsos das suas terras ancestrais, mas conseguiram voltar, depois de um dos processos jurídicos mais caros da história do Botsuana.

 

Património material: Sítio arqueológico de Tsodilo

O Tsodilo é uma área montanhosa no noroeste do Botsuana, de aproximadamente dez quilómetros quadrados, localizada no deserto do Calaári, com numerosas minas subterrâneas antigas. Neste lugar encontram-se mais de 4000 gravuras rupestres que testemunham a presença de humanos desde há 100 000 anos. É tão grande a riqueza histórica do lugar, que foi chamado o Louvre do deserto.

Para os vários grupos étnicos locais, as colinas de Tsodilo e as águas subterrâneas das minas são sagradas, porque habitadas por espíritos antigos. E creem que eles castigam os que caçam ou praticam qualquer tipo de violência na região.

Em atenção ao interesse histórico e espiritual do lugar, a Unesco declarou-o Património da Humanidade em 2001.

 

Património imaterial: A arte cerâmica do distrito de Kgatleng

Esta atividade é realizada na zona sudoeste do Botsuana, na comunidade Bakgatla-Ba-Kgafela. Os artesãos, especialmente as mulheres, usam argila e outros elementos, como água, erva, lama, estrume seco, para produzir vasilhas de diferentes tamanhos com decorações típicas das diferentes comunidades. Estes recipientes são utilizados para alimentos e também para rituais religiosos tradicionais, incluindo ritos de cura. Diz-se que as mulheres pedem aos espíritos da terra que lhes indiquem os melhores solos com que fabricarem as suas peças.

Esta arte tem sido transmitida de mãe para filha. Porém, desde há alguns anos, está em risco de extinção. Por esta razão, em 2012, a Unesco declarou-a Património Imaterial da Humanidade.

 

Curiosidades do Botsuana

  • Faz fronteira, a sul, com África do Sul; a oeste, com a Namíbia; a nordeste, com o Zimbabué, e a norte, com a Zâmbia (e por apenas 150 metros).
  • A capital, desde 1965, é Gaborone, onde vivem 200 mil pessoas.
  • O sechuana é a língua de 78 por cento da população. A língua oficial é o inglês, falado por apenas 3 por cento dos botsuanos. Há outras línguas de origem banta, a família étnica mais numerosa, de que sobressaem os grupos tsuana e xona. Entre os povos minoritários não bantos realce para os bosquímanos.
  • A economia assenta principalmente nas minas de diamantes, ouro e outros minerais.
  • Três quartos do território estão localizados no deserto do Calaári. As áreas residenciais situam-se sobretudo no extremo leste.
Por: Marco Braggion