As árvores dão a vida por nós

Março 2017 / Destaque

 

Viver com as árvores tem muitos benefícios. Elas interferem na qualidade e temperatura do ar e influem no funcionamento do cérebro, produzindo efeitos calmantes e emoções positivas.

 

É muito fácil ter pessoas amigas e alimentar um relacionamento com elas. É fácil ter um animal de estimação e interagir com ele. Menos fácil é manter uma espécie de amizade com uma planta ou uma árvore. E, no entanto, também elas são seres vivos. Só que, porque as plantas e as árvores, aparentemente, não se mexem, as pessoas esquecem que elas estão vivas.

Focando-nos apenas nas árvores, estas também nascem, criam a sua estrutura de alimentação e respiração (raízes e folhas), crescem em tronco e galhos, dão frutos e sementes e procriam novas árvores da sua espécie.

 

Um exemplo de vida sustentável

As árvores são seres vivos autossustentáveis e respeitam o ciclo da Natureza para obter a energia de que precisam para viver. Elas retiram da terra a água e o húmus de que precisam para alimento, mas também enriquecem o solo com as suas folhas caídas e devolvem a água à atmosfera por meio da transpiração.

De dia, abrem as folhas para capturar dióxido de carbono e fabricar oxigénio. À noite, também as suas folhas se fecham para adormecer. E adaptam-se aos ciclos das estações do ano, a cada clima, a cada terreno, isto é, ao ecossistema em que vivem.

 

As árvores e a humanidade

Pela sua própria natureza, a árvore é feita para ser abraçada. Cada árvore tem uma textura, uma cor, um cheiro próprio. As árvores não têm frente nem costas, mas crescem para todos os lados, convidando, continuamente, todos os outros seres vivos a abrigar-se à sombra delas e entre os seus ramos, a reunir-se debaixo delas, a alimentar-se delas.

Os humanos já viveram nas árvores. Os nossos antepassados desceram delas há cerca de seis milhões de anos. Depois, as povoações humanas foram-se estabelecendo onde havia árvores e água, porque ambas asseguram alimento, regulam a temperatura ambiente, são material necessário para a construção das casas e de incontáveis produtos e interferem no estado anímico das pessoas (não é igual caminhar por um lugar com árvores ou numa cidade…).

Contudo, a vida moderna das grandes cidades alterou a relação dos humanos com as árvores. Chegamos mesmo a desarborizar o espaço onde vivemos. Na maior parte das cidades, as árvores foram expulsas, quando elas sempre nos acolheram, ou confinadas a espaços delimitados, como passeios, jardins e parques. E o que primeiro mata as árvores é a falta de relação com elas. A morte de uma árvore começa no olhar vazio de quem passa por elas indiferente.

 

Três benefícios impagáveis das árvores

As árvores absorvem até 20 % das partículas nefastas que a poluição emite para a atmosfera. A mais grossa é resultado das poeiras das obras de construção civil e nas ruas, entre outras fontes. A mais prejudicial é a que provém da queima de combustíveis fósseis.

As árvores reduzem a temperatura em até dois graus Celsius.

As árvores aumentam o bem-estar psicológico de todos os seres vivos.

Por: Fernando Félix

Deixe uma resposta