Alojar os refugiados

Fevereiro 2017 / Crianças em missão

Aud_Fevereiro2017_Pag8

 

O lema da Infância e Adolescência Missionária (IAM) para 2017 é «Com as crianças da Europa vamos acolher a todos como Jesus».

Poucas crianças europeias ficarão indiferentes quando veem imagens de milhares de pessoas desesperadas que entram na sua Europa a fugir dos conflitos armados nos seus países; sobretudo, quando elas encontram outras ameaças à sua sobrevivência.

Em janeiro passado, vimos a Grécia e a Sérvia transformadas em gigantescos campos de refugiados cobertos de neve. Arrepiámo-nos só de pensar nas temperaturas negativas. A onda de frio polar que castigou o continente europeu pôs em sério risco de morrer congelados perto de 70 000 imigrantes retidos naqueles dois países. Vimos estes milhares de pessoas deficientemente alojados em armazéns e fábricas abandonadas, quartéis e outros edifícios públicos em desuso, contentores de mercadorias e simples tendas de lona.

 

Como ajudar?

Quem não pode acolher e também não pode ir aos campos de refugiados, poderá confiar a sua ajuda a uma das organizações que trabalham no terreno, por exemplo:

– UNICEF (www.unicef.pt/criancas-da-siria). Trabalha para que as crianças sírias deslocadas no seu país e refugiadas em Estados vizinhos tenham água em condições para beber, artigos de higiene básicos, medicamentos, apoio psicológico e possam ir à escola.

– Cruz Vermelha (www.icrc.org/pt). Fornece assistência médica e ambulâncias para transportar casos de emergência para instalações especializadas.

– Capacetes Brancos (https://peoplesmillion.whitehelmets.org). A Defesa Civil da Síria, também conhecida como Capacetes Brancos, é uma organização não governamental voluntária de defesa civil que trabalha para resgatar pessoas dos escombros de edifícios destruídos.

– Médicos Sem Fronteiras (www.msf.org.uk). Os MSF prestam apoio na cidade de Alepo e organizaram instalações médicas no norte da Síria. E já resgataram mais de 11 mil pessoas em risco de afogamento no mar Mediterrâneo.

– Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (www.fundacao-ais.pt). A Fundação AIS é uma organização dependente do Vaticano que tem como objetivo apoiar a ação da Igreja Católica em países onde os cristãos passam por dificuldades. Com a guerra no Médio Oriente, cada vez mais cristãos estão a abandonar a região. A Fundação AIS socorre as famílias, desde provisão de artigos de primeira necessidade até estruturas paroquiais.

– Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados – ACNUR (www.unrefugees.org). Esta organização fornece água de boa qualidade, mosquiteiros, tendas, cuidados de saúde e outros serviços aos refugiados.

– Comité Internacional de Resgate (https://help.rescue.org). O trabalho deste Comité inclui ajudar clínicas de apoio e equipas móveis com cuidados de saúde de emergência. Fornece também roupas, alimentos, educação, aconselhamento e proteção às crianças.

– CARE (www.care.org). Atua em países como Jordânia, Egito, Líbano, Iémen e Síria, onde presta todo o tipo de apoio às pessoas afetadas pela guerra. Distribui bens essenciais aos refugiados recém-chegados, como colchões, cobertores, utensílios de cozinha, artigos de bebé e produtos de higiene.

 

Apoio em Portugal

Em Portugal, há duas entidades que podem prestar esclarecimentos e ajuda às famílias que desejem acolher refugiados ou ir apoiá-los nos países onde estão: o Conselho Português para os Refugiados (www.cpr.pt) e a Plataforma de Apoio aos Refugiados (www.refugiados.pt).

Por: Fernando Félix

Deixar uma resposta